Apenas um terço dos CIOs cita a mitigação de riscos cibernéticos como uma medida de performance

Enquanto 94% dos CIOs reconhecem a possibilidade de alguma forma de ameaça séria para os próximos 12 meses, apenas 27% listam a continuidade negócios e resiliência como as três prioridades para o ano seguinte e apenas um terço cita a mitigação de risco como uma medida de performance. Essas são as descobertas da quarta seção do Global CIO Survey 2021 da Logicalis, provedora global de soluções de TI.

O estudo, que entrevistou mil CIOs de todo o mundo, revelou que quase metade dos entrevistados (47%) vê as violações de dados como o maior risco para suas organizações (um aumento de 6% em relação ao ano passado). Em seguida, os respondentes destacam malwares e ransomwares (39%) como outras áreas de cautela.

É provável que o risco percebido de uma violação de dados tenha crescido devido ao aumento da força de trabalho remoto, uma vez que os funcionários podem trabalhar de casa ou adotar o modelo híbrido. Quando ocorrem, as violações de dados podem levar a uma série de problemas, desde a perda de informações essenciais quanto a estagnação do crescimento do negócio e, nos piores casos, o fim da empresa.

A falta de conscientização da equipe, embora seja um problema de segurança predominante, foi destacado por menos de um terço dos CIOs (30%), ante aos 50% do ano passado.

Essa melhoria percebida na conscientização da equipe se deve, em parte, a um investimento enfatizado em treinamento adicional e medidas de tecnologia para mitigar os riscos de segurança. Na verdade, mais de 50% dos CIOs afirmam que suas organizações investiram em treinamento de segurança de funcionários este ano, provavelmente para ajudar a prevenir violações de dados originadas das atividades deles.

Entre as outras áreas de investimento, estão inclusas:

• Tecnologia de segurança – 66%

• Planejamento para a continuidade dos negócios – 40%

• Suporte de terceiros por meio de especialistas em Provedores de Serviços Gerenciados (MSPs) – 35%

Entretanto, os CIOs ainda sentem que suas organizações têm um longo caminho a percorrer em termos de investimento em medidas de segurança abrangentes. Apesar do rápido aumento dos riscos de segurança cibernética, mais da metade das empresas (55%) ainda não adotou um plano de recuperação para ataques cibernéticos.


Toby Alcock, CTO da Logicalis, diz: “Nos últimos 18 meses, muitas empresas criaram soluções provisórias como prova de fogo para lidar com a segurança no trabalho remoto e desenvolver formas de recuperação de dados em caso de desastres. Algumas medidas funcionaram, mas outras ações são necessárias para proteger os trabalhadores híbridos e aumentar a resiliência dos negócios.”

“As empresas devem adotar uma abordagem de segurança holística, com recursos para detectar e responder às ameaças antes mesmo que elas ocorram. Perspectivas preditivas irão proteger totalmente a força de trabalho híbrida e empoderá-la para entregar ótimos resultados para os clientes. A adoção de tecnologia para mitigar riscos também ajudará as organizações a se adaptarem a obstáculos futuros, sejam eles relacionados a ataques cibernéticos ou interrupções do mercado maiores. Com um plano abrangente, criado com o conselho de um parceiro de confiança, as companhias podem ficar tranquilas sabendo que estão protegidas”, finaliza Alcock.

O estudo completo está disponível no link: https://www.la.logicalis.com/globalassets/latin-america/advisors/pt/ebook-aug2021-06-ch4_logicalis_pt_final.pdf